Compartilho com você uma analogia entre a Série ANNE com “E”, da Netflix, e o projeto Mentoria Colaborativa – Nós por elas, liderado pela Edna Vasselo, presidente do IVG – Instituto Vasselo Goldoni, do qual sou mentor.

Este seriado apresenta vários desafios impostos pela vida à jovem protagonista Anne Shirley. Se você ainda tem alguma dúvida sobre o que é protagonismo, após esta série, não terá mais.

O programa Mentoria Colaborativa “Nós por elas” tem como propósito o suporte ao desenvolvimento para que as mulheres acessem seus talentos, de modo a atingirem o máximo de seu potencial, tendo como ponto central o protagonismo.

Estou convicto de que esta série vai mexer com seus sentimentos, sentidos, percepção de mundo, empatia, mindset, entre outros aspectos. Parece improvável ser possível aprender com uma jovem de 12 anos, mas não se surpreenda, porque que em muitos momentos da série, ela será sua mestra e mentora e talvez, assim como eu, você se apaixone!

“Anne com E” traz ricos diálogos internos que levam a muitos momentos em que é impossível não se questionar sobre um mundo de oportunidades, das mais assustadoras às mais gloriosas. A personagem representa essa possibilidade como poucos, e acredito que, como eu, você pode aprender muito com ela, porque alguns desses diálogos você já teve em algum momento de sua vida, ou quem sabe, alguns ainda estão aí dentro de você. O mundo imaginário e criativo é um mecanismo que, além de buscar alternativas para viver melhor e ser feliz, a ajuda a passar por momentos difíceis, que aliás são muitos, muitos mesmo.

Ressignificação é outra habilidade que Anne apresenta em sua perspectiva para tudo que lhe acontece de pior e, novamente, demonstra uma estratégia de superação. A vida nos apresenta inúmeros testes de convicções e essas situações colocam, constantemente, nossos valores e propósito à prova.

Por meio dos diálogos, percebemos intenções, julgamentos e crenças;  o quanto algumas culturas e criações inibem a expressão de nossos sentimentos e sonhos e como tudo isso vai se acumulando e criando barreiras ao nosso progresso e desenvolvimento.

No que tange à espiritualidade,  você identificará algumas práticas e não-práticas da construção dos valores: confiança, respeito e justiça, dentre outros. Verá também surgirem forças e fraquezas quando esses valores são colocados em xeque e como isso impacta naquele contexto e no mundo. Como reflexo desses impactos, perceberá  os paradigmas colocadas para a mulher, que limitam suas possibilidades de realização e, apesar de estarem retratando uma época, são altamente contemporâneos.

As limitações que o mundo lhe apresenta não devem impedir suas ações para a construção do mundo em que você acredita. Isso não significa que você não vai cometer erros, e sim que suas intenções lhe abrirão possibilidade para realizar o que é certo, digno e justo.

Parafraseando o ex-técnico da Seleção Brasileira de Vôlei Masculino,  Bernardinho, “você pode até errar na forma, mas jamais poderá errar na intenção”. Em linhas gerais, a vida nos convida a tomar decisões e isso é o que acontece com Anne e com todos nós, diariamente.

Particularmente, aprendi que sempre haverá erros e acertos e que a pior decisão, é não tomar decisões, e sabe por quê? Porque ao decidir, conviveremos melhor com o resultado de nossas ações do que da não ação. Isso é protagonismo. E nesse sentido, as vivências da personagem Anne são uma inspiração, da mesma forma que as histórias de vida de cada pessoa, e obviamente, isso se repete majestosamente com as trajetórias das participantes do programa Mentoria Colaborativa. Nos dois casos, o ensinamento é que as vivências e aprendizados  pessoais, somados à ação, é que vão impulsionar a busca pelo protagonismo. Porque essa decisão de assumir o comando está com cada um de nós.

E para coroar essas reflexões, apresento um pensamento da saudosa Cora Coralina:

“Mesmo quando tudo parece desabar, cabe a mim decidir entre rir e chorar, ir ou ficar, desistir ou lutar; porque descobri, no caminho incerto da vida, que o mais importante é o decidir.”

 

Indico a série para seres humanos que passam ou passaram por dificuldades. Eu sou um deles e você?

 

Beijo no coração e abraços

Adilson Souza, Mentor

Autor do livro Liderança e Espiritualidade: Humanizando as relações profissionais

Revisado por Marily Gallote

Skip to content